Descobrindo “eu” através dos “meus” [sextaFilosofal]

O tempo de leitura desse artigo é de 4 minutos.

no último episódio do Hack Life Cast, tive o prazer de ouvir Geraldo Rufino contar sua trajetória, indo de catador de lixo a se tornar um dos maiores empresários do Brasil.

durante nosso papo, ele pontuou sua relação com a família, aqueles os quais ele chama de “meus”.

isso me tocou bastante e me fez inclusive perceber o quanto a minha relação com o mundo reflete a relação com os “meus”.

se estou feliz e livre em família e com amigos próximos, me sinto feliz e livre com os “outros”.

quanto mais completo estou com os meus, mais completo estou com os outros, e mais “meus” eles ficam.

< afinal de contas, como podemos ter uma boa relação com os outros, se nem com os nossos a relação está boa? />

nessa sexta (estrategicamente pós dia das mães), te convido a refletir sobre como está a relação com os seus familiares / amigos / relacionamentos mais próximos.

relação de verdade, ok? tirar selfie no dia das mães para ganhar “likes” não conta….

em um espectro de 0 a 10, onde:

0 : superficial, me recuso a falar com eles. repúdio/raiva/medo

10 : profunda, com amor e confiança

aonde você se encontra com seu núcleo mais íntimo?

quando falamos de nossos familiares, a primeira coisa que fazemos é apontar os defeitos do outro, falar que “a vida de fulan@ poderia melhorar se el@ fizesse isso, aquilo e aquilo outro”.

raramente é possível enxergar que os mesmos defeitos os quais apontamos para o outro, são os defeitos que existem em nós, mas não queremos olhar.

os relacionamentos são ferramentas fantásticas para observar a si mesmo no outro, mas, para isso, requer um mínimo de coragem e desapego da vaidade, além de calibrar a sua visão de mundo com um novo “software”.

o que faz o nosso espectro anterior, ganhar uma nova dimensão:

< a relação com nós mesmos reflete a nossa relação com a família/amigos próximos, que reflete a relação com o mundo. >

perceba, que, em grau de profundidade, não existe nenhuma outra relação mais profunda do que a sua com você mesmo……

conforme vamos expandindo, mais superficial é a relação, e mais fácil fica ser quem você não é, se utilizando de programações do ego e máscaras de personalidade.

mas quanto mais próxima e profunda a relação, mais difícil fica se enganar.

esse é um dos motivos, por exemplo, o qual algumas pessoas simplesmente não conseguem manter um relacionamento duradouro. (relacionamento com o trabalho, com um parceir@…. tem vários!)

ao chegar em um nível de profundidade na relação, o indivíduo simplesmente não consegue dar conta de olhar seu lado sombrio e trabalhá-lo.

nessa hora, entram os “hacks” enquanto muletas.

para continuar “dando conta” de trabalhar, e de qualquer outra coisa que “tem que ser feita”, nos afundamos em impulsos de gula (com comida, engolindo sem mastigar, trabalhando em excesso, distrações em excesso), para suprimir as emoções que começam a surgir.

enquanto a coragem não vier de querer limpar esses impulsos e olharmos de frente para os sentimentos guardados, fatalmente veremos as mesmas situações se repetindo em nossas vidas…. de novo e de novo….

ao acessar a coragem necessária, ai sim, estamos falando de HACKEAR de verdade, de ir além da superficialidade das compulsões para acessar nosso código fonte e formatarmos velhas programações que não nos servem mais.

como anda a sua coragem? qual é o seu medo da profundidade?

reflita e compartilhe conosco ;D

< compartilhe esse texto />


// hacklife cast #14 | Geraldo Rufino

nesse episódio, eu tive o prazer de falar com Geraldo Rufino, o catador de sonhos.
a trajetória do Geraldo é linda de se ouvir, a carreira dele teve início catando lixo e depois se tornou um dos maiores empresários desse país.
eu sai em êxtase depois da entrevista, e espero que você consiga sentir pelo menos um pouquinho dessa alegria e energia ao ouvi-la =)


< clique aqui para escutar ou assistir AGORA />


// para se aprofundar nas investigações da mente: 

o H4ck Thinking é o primeiro passo para entender como utilizar melhor a sua mente e compreender seus mecanismos.

é uma experiência online000se aprofunda na desconstrução de condicionamentos e crenças limitantes para acessar a sua essência/ código fonte.

se você quiser continuar no mergulho dessas reflexões, assista ao vídeo que gravei com muito carinho para saber mais.

clique aqui ou na imagem abaixo para assistir: />


// frase para você filosofar

#pt
“a única jornada, é a de dentro” ~ Rainer Maria Rilke

#en
“the only journey is the one within.” ~ Rainer Maria Rilke


o que você achou dessa edição da Sexta Filosofal?

Renato Stefani

Renato Stefani

apaixonado pelo desenvolvimento pleno e integral do ser humano, em busca do equilibrio entre corpo, mente e alma, aliando desenvolvimento tecnólogico ao despertar da consciência.
isso define quem eu sou.

o que eu faço?
sou o fundador do Hack Life,
instrutor de Yoga certificado pelaInternational Sivananda Yoga Vedanta Centre, especialista em futurismo e tecnologias exponenciais pela Singularity University.
Renato Stefani

Gostou do texto? Vamos continuar a discussão, criar nossa comunidade viva de hackers da própria vida. Deixe seu comentário!